Waldez faz levantamento para incluir 10 mil famílias no Renda Para Viver Melhor até o final do ano

0
1536

Desde o início da gestão do atual governador Waldez Góes (PDT), mais de 15 mil beneficiárias do programa Renda Para Viver Melhor foram excluídas. No entanto, há um ano da eleição o Governo do Amapá, através da Secretaria de Estado da Inclusão e Mobilização Social (Sims), iniciou um levantamento que visa alcançar os 16 municípios do Estado, identificando 10 mil famílias aptas a serem incluídas até o final do ano.

De acordo com o governo, técnicos e assistentes sociais juntam-se aos profissionais dos municípios e realizam visitas em áreas de risco. O trabalho iniciou em 22 de agosto pelos municípios de Serra do Navio e Pedra Branca do Amapari. Nestes, foram identificadas cerca de 190 pessoas que se encaixam nos critérios do programa.

De acordo com a gerente geral do Núcleo de Renda e Cidadania da Sims – que coordena o programa -, Francisca Medina, neste momento o trabalho está sendo realizado em Amapá, Calçoene e Pracuúba. Na próxima semana as visitas serão aos municípios de Tartarugalzinho, Porto Grande e Ferreira Gomes. De 20 a 26 de setembro o cronograma prevê que sejam visitados Laranjal e Vitória do Jari, e posteriormente os demais municípios do Estado.

Após as visitas, o próximo passo é cruzar os dados dos membros das famílias para verificar se as informações por eles prestadas são verídicas, e se estes recebem qualquer outro benefício social.

Uma vez consideradas aptas após a verificação, as famílias passam a compor um banco de dados que será utilizado em momento posterior.

“O objetivo é identificar estes possíveis beneficiários em todos os municípios. Até o fim do ano estimamos que cerca de 10 mil pessoas sejam inclusas no programa”, concluiu Francisca.

Pacote de bondades

Na semana passada o governador Waldez Góes anunciou a retomada do programa Amapá Jovem.

Segundo fontes palacianas, a estratégia é atender cerca 10 mil jovens com o pagamento de bolsas. Isso tudo para tentar reverter à rejeição de 78% ostentada pelo governador pedetista.

Para dar visibilidade para todas essas ações de marketing político, o governador pretende gastar R$ 10 milhões em propaganda institucional. “Para quem usa a crise econômica para justificar cortes em programas sociais importantes para a população pobre do Amapá, aparentemente tem dinheiro sobrando”, rebate Juliano Del Castilo, ex-secretário de planejamento do Estado.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here